Friday, 24 October 2008

A Maratona que espero fazer

Estando a menos de 2 dias de correr a Maratona do Porto, vou deixar aqui os meus objectivos para a prova e a forma como estou a contar orientar a corrida.

Sendo esta a primeira maratona que corro, é óbvio que o primeiro e, quiçá, o grande objectivo é o de conseguir terminar a prova. O misticismo que a Maratona envolve e o peso que representa, para alguém que nunca viu o atletismo de outra forma que não enquanto actividade recreativa, imaginar-se correr consecutivamente durante mais de 42 quilómetros são razões mais do que suficientes para tornar o feito quase heróico. Aliás, uma das razões que, habitualmente se indica justificarem a vontade das pessoas em correr maratonas é precisamente essa: o desejo de superação, de conseguir alcançar algo "especial".

Para além desse objectivo, não posso deixar de reconhecer que gostaria muito de conseguir concluir a prova em razoáveis condições físicas e sem exagerar nas doses de sacrifício. Numa prova destas ninguém espera concluir fresco e com grandes reservas energéticas. Da minha parte acredito que, fruto da aturada preparaçao que fiz, é possível fazer a prova dentro de um limite de esforço que não ponha em causa a minha própria saúde e sem levar ao extremo as minhas capacidades. De qualquer forma, tudo o que acontecer depois dos 30 Km será novidade para mim, pois nunca ultrapassei essa distância em nenhum dos meus treinos.

Finalmente, e porque nestas coisas nunca nos desligamos do lado competitivo, gostaria de conseguir alcançar o melhor tempo possível. Nesta primeira incursão na distância este objectivo é claramente subalternizado pelos dois anteriores. De qualquer forma, e analisando as coisas à anteriori, classificaria assim o meu desempenho:
- Acima de 4 horas - Fracote
- Entre 3h45m e 4 h - Razoável
- Entre 3h30m e 3h45m - Bom
- Abaixo de 3h30m - Muito bom
- Abaixo de 3h25m - Impossível!

Sendo estes os meus objectivos, vou agora descrever a "táctica" que tenho em mente utilizar. A análise ao percurso, que conheço muito bem, leva-me a perceber que a primeira parte (sensivelmente até aos 10 Km) tem um inclinação propícia a bons andanmentos. Da minha parte irei seguir a um ritmo nunca superior a 5:00/Km, garantindo que a pulsação não chegue sequer às 140. Atendendo à inclinação favorável, espero chegar aops 15 Km bastante fresco. A partir daí tentarei continuar a menter o mesmo ritmo, estando certo de que isso implicará que o ritmo cardiaco chegará aos 150, que não quero ultrapassar antes da meia maratona.

A partir daí e até aos 30 Km, altura em que deixaremos de nos afastar da meta para começarmos a caminhar em sua direcção, não sei o que irá acontecer. Se lá chegar em boas condições, o objectivo é manter o ritmo. Se sentir que as forças já não são muitas, irei diminuir a passada de forma a deixar sempre uma reserva para os últimos 5 Km, aqueles em que espero sentir mais dificuldades.
Entretanto, decidi que ao longo do percurso irei fazer uma boa hidratação aproveitando as excelentes condições que a organização nos disponibiliza em termos de abastecimentos. Para além disso, irei fazer 3 tomas de gel, nomeadamente aos 15 Km, aos 25 Km e aos 35 Km.

Em teoria vai ser assim. Na prática... vejam a minha crónica depois da prova e logo saberão!

3 comments:

luis mota said...

Olá Miguel paiva!
Li atentamente as suas preciosas informações.
Estou convicto que me irão ajudar a planear a prova.
Do percurso não conhecia nada. Agora já começo a criar uma imagem mental.
Domingo,vamos ver como os coisas vão "correr".
Grande abraço,
Luís Mota

Carlos Ferreira said...

Caro amigo de sofrimento desejo-lhe uma excelente prova e que goze cada passada o máximo que puder. Goze os companheiros, goze o sol, goze o rio e o porto e goze enquanto puder os km’s a passar. Mas o maior gozo, juro-lhe, terá quando terminar. vai sentir uma sensação única. agarra-a o mais que puder pois é essa que o ajudará a esquecer o sofrimento que teve que fazer para conseguir completar esses primeiros e maravilhosos 42195 metros. Verá que umas horas depois da corrida terminar começará a surgir-lhe fixamente uma ideia. “Qual é a próxima...”

joaquim adelino said...

Olá Miguel
Excelente planeamento, mas o mais importante é depois no terreno nunca se esquecer dele. Como é a primeira vez cuidado com os excessos iniciais porque depois lá mais para a frente as coisas começam a doer. Se puder arranjar companhia e com os mesmos objectivos seria uma grande ajuda.
Oxalá as suas pernas o possam ajudar.
Boa prova.

 
Free counter and web stats